Sexta-feira, 10 de Fevereiro de 2006
Académica X Boavista - Antevisão

antevisao.jpg

Equipas prováveis:


Académica - Pedro Roma; Sarmento, Danilo, Hugo Alcântara e Ezequias; Dionattan, Roberto Brum e N'Doye; Filipe Teixeira; Joeano e Serjão

Treinador: Prof. Nelo Vingada


Outros convocados: Dani, Vítor Vinha, Andrade, Paulo Adriano, Nuno Piloto, Fernando e Luciano


 


Boavista - William; Manuel José, Ricardo Silva, Cadú e Areias; Paulo Sousa, Tiago e Lucas; João Pinto; Zé Manel e Paulo Jorge


Treinador: Carlos Brito


Outros convocados: Khadim, Cissé, Rui Duarte, Diego Figueredo, Hugo Monteiro, Diogo Valente, Fary e Tomas Oravec


 


Motivadíssimos pelos últimos triunfos (recorde-se que, em 2006, o Boavista apenas perdeu com o FC Porto, tendo ganho todos os encontros disputados no novo ano), entre os quais se inclui a excelente vitória na Amadora, a meio da semana (e que valeu o apuramento para os quartos-de-final da Taça), os “axadrezados” entram amanhã em campo, almejando ganhar a quinta partida consecutiva para a Liga (sétima, em termos de jogos oficiais). Pela frente, terão a Académica, num duelo que oporá dois clubes históricos no panorama nacional e que terá lugar no Estádio Cidade de Coimbra.           


Carlos Brito não deverá alterar o esquema de 4-3-1-2 desdobrável em 4-3-3, com três médios e João Pinto solto, no apoio aos dois homens do ataque, que tão bons resultados tem tido. Todavia, existe a dúvida sobre se o treinador do BFC continuará a optar por Diego Figueredo, a jogar descaído para a esquerda, ou, em alternativa, tendo em conta a circunstância de actuar fora de casa, se apostará na colocação de um médio mais recuado (Tiago, regressado após lesão, e Cissé são hipóteses), relegando o paraguaio para o “banco”. No ataque, Zé Manel e JVP manter-se-ão como titulares indiscutíveis, faltando saber quem completará o tridente ofensivo: poderá ser Paulo Jorge, como aliás, aconteceu em Paços de Ferreira (jogando o BFC com dois homens rápidos na frente, directamente apoiados por JVP, e, eventualmente, Figueredo, que, se alinhar de início, poderá, em algumas situações no encontro, aparecer no “coração” da grande área, em resposta a cruzamentos, visto que é um futebolista forte no jogo aéreo), Fary ou Oravec, um avançado mais fixo. Independentemente destas dúvidas no “onze”, Brito procurará, com toda a certeza, manter os princípios de jogo que o Boavista tem evidenciado nos últimos encontros: consistência e muita entreajuda e disponibilidade nos sectores defensivo e intermediário e capacidade de gerir a posse de bola e de circular o esférico, com segurança e rapidez, no meio-campo adversário. prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" /> 


A Académica, por sua vez, deverá continuar a jogar no 4-3-1-2 que lhe valeu três vitórias (frente a Setúbal e Aves, fora, e Paços de Ferreira, em casa), com dois avançados móveis, Serjão e Joeano (embora um dos dois possa ser rendido por Luciano na equipa titular), apoiados por um criativo (Filipe Teixeira), que, à semelhança de João Pinto, disporá de liberdade de movimentos no sector ofensivo (podendo aparecer nas costas dos dois avançados ou descair para uma das alas), e um trio de centro-campistas, capaz não só de recuar bolas, como também de sair a jogar com grande qualidade. Nelo Vingada apostará, pois, num sistema táctico muito parecido com o que o BFC tem actuado. 


Num encontro em que se aguarda uma tarefa extremamente complicada para o Boavista, visto que a Académica, além de jogar no seu estádio, apresenta jogadores tecnicamente evoluídos no meio-campo e no ataque (como Roberto Brum, N’Doye ou Filipe Teixeira). Por isso, o BFC tem de ser organizado e ocupar racionalmente os espaços durante todas as fases da partida, mesmo quando o “sinal mais” for dos “estudantes”, procurando dominar territorialmente o encontro, através de uma eficaz gestão da posse do esférico, de preferência no meio-campo adversário. Além disso, será essencial que a eficácia nas transições defensivas e ofensivas revelada nos últimos jogos se mantenha, bem como o acerto dos dois centrais, Ricardo Silva e Cadú, que, frente a Paços de Ferreira, Naval e Estrela da Amadora, se mostraram intransponíveis. FORÇA BOAVISTA!!!



publicado por pjmcs às 22:54
link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De Anónimo a 13 de Fevereiro de 2006 às 01:36
Tambem já lhe disse para seguir por esse caminho. ;) InvictusTripeirum
</a>
(mailto:InvictusTripeirum@vodafone.pt)


De Anónimo a 11 de Fevereiro de 2006 às 18:09
Pjmcsousa o senhor percebe de tatica como nenhum jornalista dos ditos jornais deportivos. ja pensou seguir a carreira de treinador ou para sr mais modesto e uma vez q escreve bem, jornalista desportivo?andre_silva
</a>
(mailto:andre_silva@mail.com)


comentar artigo