Domingo, 24 de Julho de 2005
Ricardo Silva de regresso; SAD pretende contratar mais um jogador

height=150 src="http://boavistafc.blogs.sapo.pt/arquivo/ricardo_silva_33-thumb.jpg" width=100 border=0> Está encontrado o substituto de Éder: é Ricardo Silva, central formado nas escolas do BFC e que representou o Boavista há duas temporadas atrás. Tal como o Notícias do Bessa tinha vindo a anunciar, o internacional "B" português fazia parte da lista de prioridades "axadrezada" para o caso de Éder sair e acaba por se confirmar a sua aquisição, no dia seguinte ao da rescisão do defesa-central brasileiro. Ricardo Silva, que não aceitara renovar o seu contrato com o BFC no Verão passado uma vez que julgava que iria jogar no "Calcio" (ao serviço do Cagliari), acabou por estar cerca de meia temporada sem competir, acabando por assinar, em Janeiro último, um contrato pelo Beira-Mar válido até ao final da pretérita época. Apesar de o clube aveirense lhe ter proposto a continuidade, Ricardo Silva recusou, acabando por regressas ao BFC. Aliás, o defesa-central, acompanhado do seu representante, passou, no mês passado, pelo Estádio do Bessa Século XXI, onde se reuniu com a SAD "axadrezada", num encontro no qual o seu eventual regresso (no caso da saída de um dos centrais do Boavista) ao xadrez poderá ter sido um dos temas em discussão.

O Notícias do Bessa aproveita para desejar as maiores felicidades a Ricardo Silva, esperando que, no capítulo individual, o atleta das escolas do BFC protagonize actuações, pelo menos, do mesmo nível das que realizou na temporada em que representou o Boavista como sénior (2003/2004) e contribua para uma grande temporada dos "axadrezados". 

Noutro âmbito, no mesmo comunicado em que confirmou a rescisão com Éder (que está livre para assinar com um clube/SAD estrangeiro) e a contratação de Ricardo Silva, a SAD do BFC voltou a afirmar que será adquirido mais um reforço (só será um se não houver mais saídas, caso contrário serão mais) e que Carlos Brito ainda dispensará alguns jogadores do plantel principal. Relativamente à contratação que será efectuada, poderá tratar-se de mais um organizador de jogo (uma vez que Jocivalter poderá fazer parte da lista de dispensas, não tendo, inclusivé, defrontado o Paços de Ferreira). Ricardo Nascimento (que já representou o BFC e trabalhou, na época passada, com Carlos Brito no Rio Ave), do FC Seul, Ricardo Sousa (por empréstimo do Hannover 96) e Leandro do Bomfim (por empréstimo do FC Porto) podem ser as hipóteses mais prováveis.



publicado por pjmcs às 19:39
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Próximo encontro de preparação
Boavista X Celta B - Quarta-feira, 27 de Julho de 2005, às 20 horas.
Estádio Municipal de Melgaço

Após a vitória em Paços de Ferreira, o Boavista regressa a Melgaço (localidade onde estagiou entre 3 e 9 de Julho) para defrontar a equipa B do Celta de Vigo, que vai militar na 2.ª Divisão B espanhola. Este encontro antecede o "ponto alto" da pré-temporada "axadrezada": o jogo de apresentação, que terá lugar no próximo sábado e no qual o BFC jogará frente a outra equipa espanhola, o Valladolid.


publicado por pjmcs às 16:13
link do post | comentar | favorito

Éder rescinde com o BFC

Os boavisteiros que ontem se deslocaram ao Estádio da Mata Real certamente notaram a ausência de Éder. E a justificação para esta ausência prende-se com o facto de, quando a equipa "axadrezada" chegou a Paços de Ferreira, o defesa-central brasileiro já não ser jogador do BFC. Confirmando-se um cenário que fora apontado por alguma Comunicação Social no último mês de Junho, Éder chegou a acordo com a SAD do BFC para rescindir o seu contrato, devendo rumar ao campeonato russo. Ainda se desconhecem os termos desta rescisão, não se sabendo se o Boavista foi ou não ressarcido por esta saída.


Por isso, como o Dr. João Loureiro tendo vindo a garantir, afirmando que cada saída de um jogador com vínculo ao Boavista será compensada pela entrada de outro futebolista. Os regressos de Ambassa e Ricardo Silva, atletas actualmente sem clube e que passaram recentemente pelo Estádio do Bessa Século XXI acompanhados pelos respectivos representante, e a contratação de Franco (presentemente insatisfeito com a vida na Coreia do Sul, razão pela qual o seu clube, o FC Seul, com o qual termina, aliás, contrato em Dezembro, poderá libertá-lo), que já mostrou vontade em representar o Boavista, reencontrando Carlos Brito, são as hipóteses mais prováveis.



publicado por pjmcs às 15:33
link do post | comentar | favorito

Paços de Ferreira 1 - Boavista 2

O Boavista venceu ontem no Estádio da Mata Real, frente a um Paços de Ferreira que fazia a sua festa de apresentação aos sócios. E a verdade é que os "axadrezados" deixaram muito boas indicações, principalmente na segunda parte, etapa em que se notou aquilo que Carlos Brito gosta: rápida circulação de bola, extremos bem abertos nas alas, grande mobilidade na frente de ataque, futebol fluído. O BFC entrou melhor no jogo, procurando pressionar o último reduto pacense, mas falhava no último passe, sobretudo nos cruzamentos. Além disso, o corredor esquerdo, onde "moravam" Carlos Fernandes e um lento e apático Guga, não funcionava, pelo que a transição defesa-ataque só era realizada pelo flanco direito. No entanto, nesta ala, Manuel José, em noite pouco inspirada, não conseguia dar a profundidade necessária, tendo grandes dificuldades para ultrapassar o lateral-esquerdo do Paços de Ferreira. Valia o importante auxílio de Nélson. Além disso, o ex-Setúbal, apesar de estar bem no capítulo do passe, em duas boas oportunidades que teve para centrar para William Souza, efectou cruzamentos demasiado largos. Neste cenário, até porque, no meio-campo defensivo do Boavista, apenas Lucas conseguia recuperar jogo e transportá-lo para o ataque, enquanto Tiago tentava somente destruir e não construía, o Paços de Ferreira aproveitou para, durante cerca de 20min, assumir o controlo do jogo. Porém, não criava grande perigo, uma vez que os "castores" esbarravam quase sempre nos dois centrais "axadrezados", Cissé e Cadú, que denotaram grande segurança e se mostraram exímios quer no desarme, quer no jogo aéreo. Aliás, Cissé, que disputou o encontro na sua totalidade, também merece grande destaque no que concerne aos passes longos, que conseguiu executar com grande rigor e precisão com ambos os pés. O jovem defesa-central/médio-defensivo franco-malaio está a ser uma das grandes revelações do BFC nesta pré-época. No sector mais ofensivo, William Souza procurava ganhar espaços, apresentando grande mobilidade (descaía sempre para o flanco para o qual a bola era endossada) e lutando imenso. Além disso, mostrou aliar à suas boas movimentações uma excelente capacidade no jogo aéreo e qualidade técnica sempre que tinha a bola nos pés. João Pinto, a despeito de denotar alguma lentidão (algo perfeitamente natural nesta fase da pré-temporada), revelava boa visão de jogo e qualidade no passe curto, mas também em aberturas mais longas. Parece que o "artista" vai, finalmente, assumir-se como o verdadeiro "playmaker" do BFC. Lucas, como já foi referido, realizava uma exibição positiva, endossando, boas condições, a bola para JVP, após efectuar a recuperação do esférico. Mas o que falhava no Boavista eram os extremos, que não conseguiam abrir nas alas, o que não permitia estender a equipa por todo o relvado e não abria linhas de passe. Todavia, com o decorrer dos minutos, a equipa começou a desinibir-se, libertando-se do domínio pacense. Apesar da falha atrás referida nas alas, os adeptos que tiveram a oportunidade de se deslocarem até à Mata Real puderam constatar que o futebol praticado é uma completa antítese do da última época: agora as trocas de bola são uma constante, havendo algumas triangulações e jogadas ao primeiro toque. Aliás, foi numa jogada de envolvimento ofensivo que o BFC criou a primeira situação de perigo: João Pinto, com uma excelente abertura, solicitou Guga na esquerda; o jogador brasileiro passou para centro, onde surgiu Lucas, nas imediações da grande área, que desferiu um forte remate que saiu ao lado. Poucos minutos depois, o golo acabou mesmo por surgir: novamente JVP a abrir para Guga, que tentou fintar mas acabou por perder a bola, aparecendo, porém, William Souza, que, com um remate junto ao solo e colocado, apontou um belo tento. E, se alguém merecia marcar, era, com toda a certeza, William Souza, que realizou uma actuação de grande nível, tentando lutar, sozinho por vezes, com toda a defensiva pacense. Contudo, quase de seguida, no "cair do pano" da primeira parte, o Paços de Ferreira chegou ao empate: Nélson "pagou" o facto de ser um futebolista baixo, fazendo, de cabeça, uma intercepção deficiente a um lançamento longo, sobrando o esférico para Rui Dolores, que cruzou para o interior da grande área, onde Didi aproveitou o espaço concedido por Carlos Fernandes para encostar para o interior da baliza. O intervalo chegou com uma igualdade que se adequava aos acontecimentos da partida.


Se o primeiro tempo já havia deixado algumas boas indicações, a etapa complementar traz grandes esperanças aos boavisteiros. Da equipa da primeira metade ficaram, somente, Nélson, Cissé e Carlos Fernandes. Carlos Brito apostava num tridente de apoio ao ponta-de-lança Fary extremamente móvel (em que Paulo Jorge mudava frequentemente de flanco, Cafú ora era o segundo ponta-de-lança, ora era extremo e Diogo Valente deambulava entre a esquerda e as "costas" do avançado senegalês) e um meio-campo mais dinâmico, com André Barreto e Essame, e com muito mais facilidade para sair a jogar (algo que foi visível sobretudo em André Barreto). E a verdade é que o Boavista assumiu imediatamente o domínio das operações da partida, remetendo o Paços de Ferreira para o seu meio-campo. Os "axadrezados" alargavam o seu jogo para as alas, onde Paulo Jorge se destacava, conciliando a sua irreverência e poder de finta com capacidade de efectuar bons cruzamentos com ambos os pés, e Diogo Valente ou Cafú conseguiam flanquear o jogo na ala oposta à de Paulo Jorge. Com esta superioridade "axadrezada" nas alas, a exbição de Nélson melhorou, aproveitando o facto de o extremo-esquerdo pacense estar demasiado remetido para o seu meio-campo defensivo para atacar mais. No meio-campo, Essame, após, inicialmente, denotar algumas dificuldades, perdendo algumas vezes a bola, o que o obrigava a recorrer à falta, mas conseguiu ganhar, aos poucos, confiança, e André Barreto, mostrando a qualidade técnica que o caracteriza, combinou na perfeição com Diogo Valente e foi o distribuidor e o transportados de jogo "axadrezado". O único aspecto que falhava era o centro do ataque, onde Fary ainda revelou estar muito "preso", não conseguindo ganhar espaços nem impor-se no jogo aéreo (nos antípodas do que sucedeu com William Souza). Todavia, o Boavista voltou à liderança no marcador, num golo espectacular: Diogo Valente, com a bola no ar, vira o jogo para a direita, com um passe em que fez o esférico embater uma vez no relvado, Paulo Jorge recebe e executa um remate potente que leva a bola a entrar na "gaveta" do lado contrário da baliza de Pedro. Foi o coroar de uma grande exibição do promissor extremo. O Paços de Ferreira apenas conseguia responder recorrendo a um futebol mais directo, mas Cissé mostrava-se verdadeiramente intransponível. O Boavista, por sua vez, debaixo das constantes indicações e reparos feitos por Carlos Brito, continua a trocar a bola de pé para pé, procurando flanquear o jogo e confundir a defensiva pacense com as mundanças de posição do tridente apoio ao ponta-de-lança. André Barreto e Nélson eram auxílios precisosos e Essame revelou alguns pormenores interesses, embora ainda denote alguma insegurança. Destaque para um bom trabalho de Diogo Valente, lançado por André Barreto, na direita, fintando o lateral-esquerdo "canarinho" e colocando a bola no pé esquerdo, que efectuou o cruzamento para a cabeça de Cafú, que rematou ao lado. O Paços de Ferreira só conseguia "assustar" em lances de bola parada que suscitavam cruzamentos para a grande área, mas as oportunidades de real perigo não surgiam. O jogo acabava sem mais destaques de maior e, como conclusão, pode afirmar-se que este Boavista está no bom caminho, praticando um futebol muito mais atraente que na temporada passada. Carlos Brito parece apostar num estilo/modelo de jogo muito mais adequado ao plantel que tem à sua disposição. A festa pacense terminou com um espectáculo de fogo-de-artifício para comemorar, possivelmente, o regresso à Superliga. Destaque também para o facto de terem marcado presença alguns boavisteiros na Mata Real.


Análise individual à formação "axadrezada":


Carlos - sem culpas no lance do golo, teve uma noite tranquila, só "importunada" por um livre bem executado por Rui Dolores. No entanto, Carlos respondeu da melhor maneira, desviando para canto com uma "palmada" com a mão direita.


Nélson - realizou uma actuação ao seu nível, constituíndo um auxílio importantíssimo ao ataque nas frequentes ocasiões em que subiu pelo seu flanco. A defender não concedeu grandes espaços ao extremo "axadrezado", embora, no lance do golo, o cruzamento de Rui Dolores tenha surgido na sequência de um alívio defeituoso de cabeça do lateral cabo-verdiano. Melhorou na segunda parte, face à maior capacidade da equipa nos flancos.


Cadú - actuação segura, como é seu hábito, onde foi sempre superior nos lances que disputou de cabeça e não teve dificuldades no desarme. Tentou aventurar-se no sector ofensivo nas bolas paradas, mas a bola nunca esteve ao seu dispor.


Cissé - esteve imperial. Fortíssimo no jogo aéreo à semelhança de Cadú, foi sempre o último obstáculo ao ataque pacense. Esteve intransponível, mesmo quando, na segunda parte, Hélder Rosário cometeu algumas falhas. Mostrou grande precisão nos lançamentos longos com ambos os pés. Uma boa surpresa.


Carlos Fernandes - o pior elemento do sector defensivo. Foi pelo seu lado que o Paços de Ferreira encontra alguns espaços no ataque. Aliás, no lance do golo, o "grosso" das responsabilidades pode ser-lhe imputada. Revelou, novamente, erros de posicionamento. Como aspecto positivo, podem ser referidas as constantes subidas pelo flanco esquerdo na segunda parte, ajudando a "prender" o extremo-direito pacense ao seu meio-campo defensivo.


Lucas - nos 45 minutos que jogou esteve bem, nunca comprometendo no capítulo do passe. Ao contrário do que se passava na época passava, pôde jogar, finalmente, exclusivamente no "miolo" do terreno. Foi a partir do seu pé direito que começaram a ser construídas algumas incitivas ofensivas no primeiro tempo. Foi, como é costume, um recuperador de bolas, permitindo cortar algumas linhas de passe ao ataque pacense.


Tiago - não esteve bem. Tentou, como sempre, destruir o jogo ofensivo adversário, mas a verdade é que perdeu alguns duelos no meio-campo. Além disso, nunca contribuiu para construir jogo.


Manuel José - de certa forma, desiludiu. Talvez a posição de extremo-direito não seja, pelo menos para já, o lugar adequado para o ex-Setúbal jogar. Apesar de revelar a abnegação e o espírito de sacrifício que lhe são característicos, nunca conseguiu "romper" pelo flanco direito, mostrando bastante receio em tentar o drible. Além disso, não esteve feliz nos cruzamentos. No entanto, participou na circulação de bola, revelando qualidade no passe curto, além de, quando desceu no seu flanco, ter dado um importante auxílio a Nélson.


João Pinto - parece ter recuperado a alegria de jogar. Embora se tenha mostrado algo lento, procurou ser o "playmaker" do BFC. Apesar de não ter recorrido ao seu (grande) poder de finta, mostrou segurança no passe e denotou boa visão de jogo. E a verdade é que, na primeira parte, quase todos os lances ofensivos passaram pelos seu pés. Fez algumas aberturas de qualidade.


Guga - tal como o companheiro da ala contrária, nunca conseguiu dar profundidade ao jogo "axadrezado" pelo seu flanco. Lento e pesado, a sua capacidade técnica não foi suficiente para ultrapassar o defesa-direito adversário, além de quase nunca ter descido pela ala esquerda para auxiliar Carlos Fernandes. Precisa de ser mais rápido e acutilante. O destaque positivo vai para o facto de, em algumas ocasiões, ter mudado de flanco para apoiar Manuel José e Nélson quando a bola se encontra naquele sector.


William Souza - convenceu. Fez aquilo que se pede a um ponta-de-lança. Movimentou-se muito bem, procurando sempre espaços para receber a bola em boas condições. Mostrou ser forte no jogo aéreo e revelou, também, qualidade técnica sempre que tinha a bola nos pés. Desviou de cabeça, e quando estava de costas para a baliza, com um gesto técnico bem executado uma bola que não fora endossada em boas condições, obrigando, mesmo assim, o guarda-redes Peçanha a estirar-se para segurar o esférico. Quando teve a bola à sua disposição e espaço, desferiu um excelente remate, com colocação, de fora da área, que culminou num belo golo.


William Andem - actuação tranquila. O Paços de Ferreira nunca o conseguiu incomodar, muito por culpa da grande exibição de Cissé.


Hélder Rosário - apesar de não ter tido grandes problemas, cometeu alguns erros que poderiam ter sido comprometedores não fosse a excelente actuação do seu companheiro no centro da defesa. De resto, esteve bem a dobrar o ofensivo Nélson.


Essame - tendo denotado alguma insegurança incial, perdendo algumas bolas, o que o levou a recorrer à falta, foi-se desinibindo à medida que os minutos decorriam, o que lhe permitiu sair, em algumas ocasiões, a jogar e revelar alguns pormenores interessantes. Precisa de ganhar estabilidade e confiança.


André Barreto - uma exibição onde mostrou toda a sua qualidade. Trouxe dinâmica ao meio-campo, assumindo-se como o transportador e distribuidor de jogo, evidenciando, à semelhança de JVP, uma boa leitura de jogo e inteligência. Combinou na perfeição com Diogo Valente, protagonizando algumas trocas de bola interessantes. Além disso, foi um jogador mais rápido que na maioria dos encontros da época passada, conseguindo recuperar algumas bolas, que imediatamente transportou para o ataque.


Cafú - muiro irrequieto, como sempre. Andou pelos dois flancos e também chegou a jogar como segundo ponta-de-lança. É por demais evidente que rende muito mais a extremo ou a segundo ponta-de-lança do que quando é colocado como referência no centro do ataque. Contribuiu para dar profundidade ofensiva à equipa e para abrir espaços no sector defensivo adversário. Podia ter feito o 1-3 quando Diogo Valente tirou um cruzamento perfeito na direita.


Diogo Valente - grande mobilidade do promissor esquerdino. Mostrou uma maior maturidade, deambulando entre a esquerda e o posto de "playmaker". Além da rapidez e capacidade de tirar bons cruzamentos que o caracterizam, também denotou uma grande segurança e qualidade no passe e boa visão de jogo (foi do seu pé esquerdo que surgiu o passe para o "golão" de Paulo Jorge). As suas constantes mudanças de posição criaram instabilidade no sector defensivo pacense.


Paulo Jorge - foi, talvez, o melhor em campo. O fantástico golo que apontou foi a "cereja" no topo do "bolo" que foi a sua actuação. Trouxe, tal como Cafú e Diogo Valente, irreverência à equipa, que pôde, finalmente, estender o seu jogo para as alas. Flanqueando o jogo, criou grandes dificuldades aos laterais pacense, ganhando os duelos graças ao seu grande poder de finta e drible (foi o jogador mais "castigado" por faltas no segundo tempo, devido a essa mesma capacidade). Emprestou alguma magia ao futebol "axadrezado". Além disso, revelou grande facilidade em tirar cruzamentos precisos com ambos os pés. Terminou a partida como defesa-direito, perdendo, como é natural, brilhantismo nas novas funções, mas cumpriu. É um sério candidado à titularidade.


Fary - a despeito de se ter esforçado muito, denotou muito menos mobilidade e capacidade no jogo aéreo que o seu colega de sector (William Souza). Precisa, claramente, de ganhar ritmo competitivo para jogar menos "preso".


Igor - não esteve muito tempo em campo, mas notou-se a vontade de mostrar serviço. Face à incapacidade de o Paços de Ferreira explorar, com grande perigo, o seu flanco direito, tentou aventurar-se no ataque, conseguindo fazer algumas "tabelinhas" com André Barreto. Requer mais observação por parte dos adeptos boavisteiros.


Hugo Monteiro - entrou para o flanco direito do ataque, mas não tempo nem oportunidades para brilhar, numa fase em que as duas equipas já aguardavam pelo final do encontro.



publicado por pjmcs às 14:43
link do post | comentar | favorito

Sábado, 23 de Julho de 2005
Marouanne Bouchti pode ficar nos juniores; Fahd Bouchti deverá regressar à Holanda
O guarda-redes Fahd Bouchti não convenceu a equipa técnica do BFC e deverá ser dispensado, regressando de imediato à Holanda. O facto de o plantel "axadrezado" já contar com três guarda-redes tornava, logo à partida, a integração do guardião de 21 anos na equipa principal do Boavista praticamente impossível, pelo que apenas um empréstimo seria a solução para Fahd Bouchti assinar contrato com o BFC. No entanto, o holandês não tem agradado a Carlos Brito e, além disso, o BFC conta também com o jovem Hugo Ferreira, que aguarda colocação. Quanto a Marouanne Bouchti, o facto de ter apenas 17 anos deverá permitir-lhe ser opção na equipa de juniores A boavisteira, embora tal situação ainda não tenha sido assegurada pelos responsáveis "axadrezados".

Noutro âmbito, André Barreto e Khadim já estão totalmente recuperados, razão pela qual poderão fazer a sua estreia em jogos particulares nesta pré-temporada esta noite, em Paços de Ferreira, encontro que terá início às 21h 30min. O único atleta que ainda não poderá jogar é Zé Manel, que padece ainda de uma microrrotura na coxa direita. Carlos, que ontem contraiu uma luxação no dedo mindinho da mão direita, mas deverá, mesmo assim, estar à disposição do treinador Carlos Brito para a partida de hoje.


publicado por pjmcs às 12:41
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 22 de Julho de 2005
Nélson próximo do Girondins Bordeaux; Ribeiro, lateral-direito do Beira-Mar, poderá ser o substituto do cabo-verdiano
height=288 alt=nelson_2.jpg src="http://boavistafc.blogs.sapo.pt/arquivo/nelson_2.jpg" width=200 border=0> height=195 alt=1.jpg src="http://boavistafc.blogs.sapo.pt/arquivo/1.jpg" width=150 border=0> O promissor defesa-direito Nélson poderá mesmo vir a mudar-se para a Ligue 1 (1.ª Divisão francesa), sendo o Girondins Bordeaux o destino mais provável, face à possível saída do lateral David Jemmali. O Monaco, porém, também pode vir a contratar o actual número 2 "axadrezado", mas tal só se sucederia caso o lateral-esquerdo Fabrice Evra fosse transferido, algo que não parece muito viável. O Benfica também chegou a estar interessado no cabo-verdiano, no entanto, a recente chamada de Alex para a última jornada dupla da Selecção Nacional e o facto de a aquisição de um ponta-de-lança ser a principal prioridade do clube lisboeta parecem ter atenuado o interesse benfiquista (mesmo tendo em conta que Miguel rescindiu o seu contrato com a turma da Luz).

Ainda não se sabe se Nélson será transferido pelo valor da sua cláusula de rescisão (2,5 milhões de euros) ou por um montante inferior. Convém, todavia, realçar que o Batuque FC (curiosamente uma filial do BFC) terá direito a receber 10% do valor deste eventual negócio, uma vez que a formação do jogador foi feita neste clube.

Como o Dr. João Loureiro tem vindo a garantir, além de o BFC procurar mais um futebolista para o sector ofensivo, cada venda realizada pelo Boavista significará a entrada de mais um jogador para a mesma posição. Por isso, o BFC deverá, se se verificar a saída de Nélson, procurar um defesa-direito no mercado, tendo sempre em conta o rigor orçamental definido pelos responsáveis "axadrezados". A hipótese mais provável é Ribeiro, actualmente atleta do Beira-Mar, e que já fazia parte da agenda boavisteira na pré-época passada. O facto de BFC e Beira-Mar terem excelentes relações institucionais (apesar de, recentemente, ter sido eleita uma nova direcção para o clube aveirense) poderá facilitar o negócio. Zé Gomes, lateral-direito do Rio Ave, também é uma possibilidade, pois trabalhou com Carlos Brito na época passada. Além disso, as dificuldades financeiras do Rio Ave podem conduzir à venda do lateral-direito por uma verba relativamente baixa. O grande entrave à vinda de Zé Gomes para o Bessa é a sua idade (29 anos), pelo que Ribeiro estará melhor colocado na lista de prioridades da SAD "axadrezada".



publicado por pjmcs às 13:08
link do post | comentar | favorito

Boavista 1 - Gondomar 1

Num jogo-treino realizado no relvado secundário do Estádio do Bessa Século XXI, com uma duração de 70min (duas partes de 35min) e arbitrado por um dos treinadores-adjuntos de Carlos Brito, Lúcio Pereira, o Boavista empatou a uma bola com o Gondomar. Destaque para o regresso de Tiago, recuperado de lesão, e para o primeiro golo do ponta-de-lança William Souza ao serviço do BFC.


O próximo jogo terá lugar em Paços de Ferreira, no Estádio da Mata Real, no próximo sábado, às 21h 30min, naquele que será o primeiro teste do BFC com uma equipa da Superliga. Este encontro marcará a apresentação da formação pacense aos seus associados.



publicado por pjmcs às 12:26
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 21 de Julho de 2005
SL Nelas 0 - Boavista 1

O Boavista obteve ontem à tarde uma vitória tangencial no terreno do Nelas (equipa récem-promovida à 2.ª Divisão Nacional, anteriormente denominada 2.ª Divisão B). Valeu o golo apontado por Fary (confirmou-se o tão desejado regresso aos tentos do senegalês) aos 86min, através da conversão de uma grande penalidade a castigar uma falta sobre João Pinto. De destacar a utlização de Paulo Jorge, na segunda parte, como lateral-direito, podendo ser o ex-Maia o "concorrente" de Nélson (caso o cabo-verdiano continue de xadrez) para esse posto, e de Manuel José, na mesma etapa da partida, novamente como médio-interior. Além disso, também é importante focar que o treinador do BFC recorreu a um novo sistema táctico (o 4-4-2, com dois pontas-de-lança) durante a primeira metade do encontro.


Carlos Brito fez alinhar a seguinte equipa:


Carlos; Nélson, Hélder Rosário, Cissé e Igor; Hugo Monteiro, Essame, Jocivalter e Diogo Valente; Cafú e Paulo Gomes.


Também jogaram: William; Paulo Jorge, Cadú, Éder e Carlos Fernandes; Lucas e Manuel José; William Souza, João Pinto e Guga; Fary



publicado por pjmcs às 12:12
link do post | comentar | favorito

Boavista X Valladolid confirmado como jogo de apresentação
A SAD do BFC confirmou que o Real Valladolid (equipa que milita na 2.ª Divisão espanhola, mas que tem algum prestígio a nível europeu) será o adversário dos "axadrezados" no jogo de apresentação aos sócios. Em informação divulgada no "sítio" oficial do Boavista, a hora do encontro foi avançada: terá lugar às 18h 30min. A partida, como já fora anteriormente adiantado, está marcada para o próximo dia 30 de Julho (sábado).


publicado por pjmcs às 09:28
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 19 de Julho de 2005
Carlos Brito: novo treinador, mais ambição

height=135 src="http://boavistafc.blogs.sapo.pt/arquivo/im4-thumb.jpg" width=100 border=0> Ainda no Rio Ave (clube que tem no actual treinador do BFC um dos maiores ídolos de sempre) já Carlos Brito mostrava ser um técnico de grande ambição. Quem não se lembra da 2.ª volta fantástica ao serviço de uma formação vilacondense que parecia praticamente condenada a "cair" na então 2.ª Divisão de Honra em 1996/1997? Ou do sonho europeu que chegou a alimentar nas duas últimas épocas num clube que costumava lutar pela permanência?

A verdade é que Carlos Brito, aposta encarada com elevadíssimas expectativas por parte dos boavisteiros, começou da melhor maneira ao serviço de um clube que sempre acarinhou (visto que foi jogador do BFC na década de 1980, além de ser portuense de "gema"). Tem conseguido mobilizar os sócios (que compareceram em bom número na apresentação) para apoiarem uma equipa que tem no regresso às competições europeias o grande objectivo (assumido sem complexos nem reservas pelo treinador "axadrezado"). Aliás, Carlos Brito gosta sempre se realçar que está num grande clube, com elevadas exigências. E o novo técnico do BFC já afirmou que gostaria que os "axadrezados" sejam a grande revelação desta temporada... 

Além disso, há outros aspectos positivos a destacar. Após três anos em que o futebol praticado muitas vezes atingiu a mediocridade, Carlos Brito, mantendo a coerência com os princípios de jogo que implantou no Rio Ave, aposta num estilo de jogo ofensivo, sustentado na circulação e posse de bola (uma boa notícia para futebolistas como João Pinto, André Barreto, Zé Manel, Manuel José, entre outros), com o meio-campo a desempenhar uma função fulcral na organização e na distribuição de jogo (Vandinho e Jaime Júnior, em 2003/2004, e Delson e Ricardo Nascimento, em 2004/2005, foram elementos fundamentais no Rio Ave de Brito), e na colocação de extremos bem abertos nas alas de modo a que o ponta-de-lança seja solicitado. Isto sem descurar o sector defensivo. Em termos tácticos, o 4-3-3 será o esquema a utilizar. À partida, parece que o futebol demasiado directo e muito pouco atractivo pode ser afastado do Estádio do Bessa Século XXI. Um exemplo da perspicácia do novo técnico boavisteiro foi a colocação de Manuel José (que jogava a extremo ou a lateral, na esmagadora maioria das ocasiões, em Setúbal, na última época), jogador dotado de boa visão de jogo e capacidade de passe e, também, muito abnegado e esforçado, a médio interior no jogo que o BFC venceu em Sta. Maria da Feira. 

Claro que ainda é muito cedo para tirar conclusões definitivas e com grande grau de segurança acerca do trabalho de Brito (até porque o Boavista só realizou um encontro de carácter particular), mas o certo é que, pelo menos, Carlos Brito iniciou a sua aventura como treinador do Boavista da melhor maneira...



publicado por pjmcs às 17:36
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Próximos Jogos

Sp. CovilhãxBoavista

(25/01; 16:00) - 15.ª Jornada

artigos recentes

Boavista FC 2 - 0 Estoril

Santa Clara 3 - Boavista ...

Boavista FC 2 - 0 U. Leir...

SC Freamunde 2 - 0 Boavis...

Boavista FC 1 – 2 SC Beir...

BOAVISTA FC 0 - 2 GUIMARÃ...

Feirense 2 - 0 Boavista F...

Boavista FC 1 - 0 Oliveir...

BOAVISTA FC 1 - 0 LOUSADA

Boavista FC 1 - 1 D. Aves

Imagens Recebidas
Galeria de Imagens
arquivos

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

ligações
pesquisar