Quinta-feira, 14 de Outubro de 2004
João Pinto e Martelinho em dúvida
No treino de anteontem, João Pinto e Martelinho chocaram casualmente um com o outro. Como resultado, João Pinto sofreu uma artrite traumática ao nível do pé esquerdo (tendo realizado, ontem, trabalho de ginásio) e Martelinho padece de uma mialgia ao nível da raiz da coxa direita (fez apenas treino de corrida). Desta forma, utilização de ambos no encontro do próximo domingo, em Leiria, está em dúvida. Quem também pode não jogar na deslocação à cidade do Lis é William, que se ressentiu da microrrotura no adutor da coxa direita.


publicado por pjmcs às 15:12
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 11 de Outubro de 2004
Boavista estreia-se na Taça de Portugal 2004/2005 com uma deslocação a Alverca
O Boavista vai defrontar o Alverca, equipa este ano despromovida à Liga de Honra, na 4.ª eliminatória da edição desta época da Taça de Portugal. O jogo terá lugar no dia 27 de Outubro (4.ª feira), no Complexo Desportivo do FC Alverca. Caso se verique um empate no final do tempo regulamentar, terá início um prolongamento no formato tradicional (sem golo de ouro ou de prata), com duas partes de 15min cada. Se subsistir a igualidade, a decisão do vencedor será feita através da marcação de grandes penalidades. De recordar que, nos 5 encontros que o BFC disputou em Alverca para o campeonato, o nosso clube apenas perdeu um (1-0 em 1999/2000), empatou dois (0-0 em 1998/1999 e 1-1 em 2003/2004) e ganhou outros dois (1-2 em 2000/2001 e em 2001/2002). Na Taça de Portugal, na temporada 1999/2000, o Boavista eliminou o Alverca, fora de casa, depois ter vencido por 1-2 após prolongamento e foi afastado pela formação ribatejana na época 2001/2002, com uma vitória por 0-1 no Estádio do Bessa.


publicado por pjmcs às 14:50
link do post | comentar | favorito

Domingo, 10 de Outubro de 2004
Jogo-treino: Boavista 3 - Marco 2
O Boavista derrotou ontem de manhã o Marco, em jogo-treino realizado no Estádio do Bessa Século XXI. Não obstante a vitória, Jaime Pacheco ficou furioso com a prestação da equipa, que, ao intervalo, perdia por 1-2. Hélder Rosário inaugurou o marcador aos 15min, na sequência de um canto, mas a formação marcoense conseguiu a "reviravolta", através dos tentos apontados por Hermes e Edgar, respectivamente, aos 30 e 45 minutos. Na segunda parte, Toñito, com dois golos, devolveu a vantagem aos "axadrezados".
O Boavista alinhou com a seguinte "onze":

Khadim; Hélder Rosário, Cadú, Éder e Milhazes; João Pedro (Frechaut) e Jorge Silva; Nélson, Toñito e Diogo Valente; Felipe Flores


publicado por pjmcs às 10:38
link do post | comentar | favorito

Sábado, 9 de Outubro de 2004
William voltou a calçar as luvas
William, que não jogou com o Rio Ave na última jornada devido a uma microrrotura no músculo adutor longo da coxa direita calçou ontem as luvas, treinando-se sem limitações. Deste modo, o guarda-redes camaronês deverá recuperar a titularidade no encontro com a União de Leiria. Por outro lado, Fary (que, apesar de já treinar juntamente com o resto da equipa, ainda recupera da intervenção cirúrgica à perna direita) e André Barreto (com problemas musculares numa coxa) continuam a trabalhar à parte.


publicado por pjmcs às 12:16
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 4 de Outubro de 2004
Próximo Jogo
UD Leiria X Boavista FC - Domingo, 17 de Outubro de 2004, às 16h.
Estádio Municipal de Leiria - Dr. Magalhães Pessoa.

O Boavista, após 3 jogos sem ganhar, vai procurar regressar às vitórias na sempre difícil deslocação a Leiria, perante um adversário que, por exemplo, já conseguiu um empate no terreno do campeão europeu.


publicado por pjmcs às 13:10
link do post | comentar | favorito

Boavista 0 - Rio Ave 1

Boavista - Khadim; Lucas (Cafú, ao intervalo), Hélder Rosário, Cadú e Carlos Fernandes; Frechaut (Toñito, aos 75min) e André Barreto; Martelinho, João Pinto e Zé Manel; Guga (Nélson, aos 77min)


Treinador: Jaime Pacheco


Rio Ave - Mora; Zé Gomes, Franco, Idalécio e Miguelito; Niquinha, Mozer, Delson e Ricardo Nascimento (Nuno Sousa, aos 91min); Evandro (Paulo César, aos 33min) e Gaúcho (Saulo, aos 72min) 


Treinador: Carlos Brito


O Boavista somou a sua segunda derrota consecutiva na Superliga, desta feita em pleno Estádio do Bessa Século XXI, perante um Rio Ave que volta a fazer um bom resultado nesse local. Os "axadrezados" apresentaram-se em campo evidenciando uma gritante desorganização, sentindo imensas dificuldades face ao reforçadíssimo meio-campo vila-condense. Frechaut (trocou amiúde de posição com Lucas durante a primeira parte) não conseguia marcar convinientemente Ricardo Nascimento, permitindo que este distribuísse jogo com algum "à vontade". André Barreto, alguns furos abaixo dos jogos anteriores, não era suficiente para dar a superioridade ao Boavista no meio-campo e Lucas estava algo perdido, não sabendo se era lateral-direito ou médio. O sistema táctico boavisteiro oscilava entre um 4-2-3-1 e um 3-4-3, retirando estabilidade à equipa. Na frente, as coisas não estavam melhor: Guga não é ponta-de-lança (quando é que Jaime Pacheco se vai aperceber desse facto?), Martelinho estava muito desapoiado na direita e João Pinto, não obstante ter realizado uma exibição agradável, saía prejudicado com o estilo de jogo demasiado directo que Pacheco impôs. O resultado era previsível: o Boavista não criava ocasiões de golo. Aos 19min, o Rio Ave, que também pouco havia feito até esse momento, inaugurava o marcador: canto na esquerda e Franco, perante a passividade do gurada-redes Khadim, cabeceou para o fundo da baliza. O BFC sofria mais um tento na sequência de um lance de bola parada, à semelhança do que havia acontecido na recepção ao Vit. Setúbal. Até ao final da primeira parte, asssitiu-se a um futebol muito confuso, com os jogadores boavisteiros a continuarem a não acertar com a baliza de Mora. O intervalo chegava e os adpetos presentes no estádio esperavam por grandes alterações. Saiu Lucas e entrou Cafú. Com esta entrada, o 3-4-3 passava a ser mais evidente, com um trio defensivo composto por Carlos Fernandes, Cadú (a líbero) e Hélder Rosário, Zé Manel e Martelinho a preencherem por completo, respectivamente, os corredores esquerdo e direito e João Pinto nas "costas" de Cafú e Guga. A verdade é que a qualidade do futebol praticado pouco melhorou. O Rio Ave até entrou melhor na segunda parte, trocando traquilamente o esférico durante o primeiro quarto-de-hora. Depois, o Boavista assumiu finalmente o domínio da partida, começando a criar oportunidades para chegar ao empate. No entanto, o BFC revelava imensa precipitação, limitando-se, quase única e exclusivamente, a "despejar" bolas para a grande área, onde Cafú e Guga se atrapanhavam um ao outro, mostrando mais uma vez que nenhum deles é opção válida para alinhar no centro do ataque (por que razão ficou Felipe Flores no banco, ainda por cima após ter estado a aquecer durante o intervalo?). Zé Manel, com algumas boas incursões pela esquerda, e João Pinto, que esteve próximo do empate, aparecendo na grande área, num cabeceamento desviado por Franco, eram os únicos que mostravam lucidez. O treinador "axadrezado", perto do último quarto-de-hora, fez entrar Toñito e Nélson, saindo Frechaut e Guga. Nélson jogou descaído para a esquerda do ataque e Toñito tentava organizar jogo no meio-campo. A verdade é que o tempo escasseava e o encontro chegou ao seu final com o 0-1 no marcador. O Boavista pode queixar-se de si próprio, uma vez que o Rio Ave se limitou a aproveitar as facilidades concedidas. O BFC, esta época, apresenta um plantel recheado de futebolistas com grandes recursos técnicos e Jaime Pacheco deve aplicar um estilo de jogo que benficie estes mesmos jogadores. Deveria jogar mais junto ao relvado, apostando na circulação de bola, ainda por cima não tendo nenhum avançado especialmente forte no jogo aéreo. Também não compreende a não titularidade de Toñito. Este ano, não há justificação para uma possível má temporada. O apuramento para a Taça UEFA é o mínimo que os sócios do BFC têm o direito de exigir a Jaime Pacheco, uma vez que este conta com jogadores de grande qualidade. A última referência é para o árbitro da partida, sr. Augusto Duarte, da AF Braga, que, apesar de não poder ser apontado como factor especialmente determinante para a derrota "axadrezada", foi complacente com as exageradas perdas de tempo dos futebolistas do Rio Ave, principalmente o guarda-redes Mora, que, desde o primeiro minuto, demorou muito na execução dos pontapés-de-baliza, comportando-se de maneira verdadeiramente ridícula.


Khadim - alternou o bom com o mau. É, talvez, o principal responsável pelo golo, ao ficar literalmente parado, permitindo o cabeceamento vitorioso de Franco. No entanto, nos minutos finais, impediu que o Rio Ave dilatasse a vantagem, revelando-se intransponível no "um-para-um" em duas ocasiões.


Lucas - esteve perdido em campo, não constituíndo a ajuda necessária a Martelinho. Podia ter feito o 1-0, respondendo a um passe de grande qualidade de Guga. Saiu ao intervalo.


Hélder Rosário - teve uma actuação positiva. Jogou descaído para o lado-direito, não concedendo espaços aos seus opositores. Ainda tentou o golo, ao aparecer na grande área algumas vezes, conseguindo, numa dessas ocasiões, um perigoso golpe de cabeça.


Cadú - é um defesa-central muito forte no jogo de cabeça. No entanto, teve alguns precalços que, todavia, não foram suficientes para lhe "manchar" a exibição.


Carlos Fernandes - como é costume, não teve grandes dificuldades a defender. Contudo, talvez fruto da confusão táctica da equipa, poucas vezes subiu pelo seu flanco e, quando isso aconteceu, os cruzamentos não lhe saíram bem.


Frechaut - continua em má forma, denotando pouca confiança. À semelhança de Lucas, também esteve perdido. Além disso, não conseguiu cumprir a tarefa que lhe estava entregue, permitindo que Ricardo Nascimento fosse o organizador do ataque vila-condense.


André Barreto - falhou muitos passes. Foi insuficiente para fazer com que o BFC ganhasse superioridade no meio-campo, não conseguindo fazer face a Niquinha e Delson.


Martelinho - lutou muito, procurando criar desequilíbrios. Todavia, esteve muito desacompanhado no seu corredor, tendo de ajudar a fechar o lado direito da defesa. Na segunda parte, teve de "desdobrar-se" entre o flanco direito e o meio-campo defensivo.


João Pinto - acabou por ser o melhor boavisteiro em campo. O estilo de jogo apresentado pela equipa não o favoresse. No entanto, ainda tentou "pegar" no jogo ofensivo da equipa, maravilhando a plateia com alguns momentos (não muitos, é certo) de magia e criatividade. Foi o elemento mais perigoso da equipa no segundo tempo, cabeceando com muito perigo à baliza de Mora.


Zé Manel - tal como aconteceu com Martelinho, esteve muito desacomphado no seu flanco. Porém, em bastantes ocasiões, conseguiu desequilibrar pela ala, com incursões onde mostrou toda a sua rapidez. Único reparo, tem de melhorar a sua capacidade de concretização na grande área.


Guga - não deixa de ser verdade que trabalhou muito. Também é um facto que possui qualidades técnicas que lhe permitem, em algumas ocasiões, ultrapassar adversários recorrendo ao seu poder de finta. Contudo, ele não é, claramente, ponta-de-lança. Deveria jogar a extremo.


Cafú - foi a aposta de Jaime Pacheco para jogar junto a Guga na frente, mas a verdade é que, mais uma vez, não trouxe nada à equipa. Atrapalhou-se muitas vezes com a bola e apresenta grandes debilidades na jogo aéreo. Tal como o seu companheiro de ataque, não é um finalizador.


Toñito - a sua entrada foi tardia. Não obstante não ter contribuído para melhorar o futebol da equipa, deve ser elogiado pelo facto de ter procurado organizar jogo. Um jogador da sua qualidade não deveria iniciar as partidas no banco de suplentes.


Nélson - tentou animar o jogo da equipa no flanco esquerdo, passando Zé Manel para a direita. Teve pouco tempo em campo, mas revelou rapidez e capacidade de explosão, mostrando que é uma opção válida para a titularidade.


 



publicado por pjmcs às 13:06
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 1 de Outubro de 2004
Antevisão do Boavista X Rio Ave

Equipas prováveis:


Boavista - Carlos; Nélson, Hélder Rosário, Cadú e Carlos Fernandes; Frechaut e André Barreto; Martelinho, João Pinto e Zé Manel; Guga


Treinador: Jaime Pacheco


Rio Ave - Mora; Zé Gomes, Franco, Idalécio e Miguelito; Niquinha, Mozer e Ricardo Nascimento; Saulo, Gaúcho e Gama


Treinador: Carlos Brito


O Boavista vai procurar voltar às vitórias na Superliga, jogando em casa. Perante um Rio Ave que empatou todos os encontros que disputou até agora, Jaime Pacheco deverá proceder a algumas alterações na equipa que defrontou o Marítimo, regressando a um sistema táctico mais ofensivo, o 4-2-3-1. João Pinto jogará solto no meio, organizando o jogo atacante do BFC e tentando ele próprio chegar ao golo, quer por remates fora da área, quer tirando partido dos espaços que o ponta-de-lança (em princípio Guga) poderá abrir na defesa vila-condense. Nas alas, Zé Manel e Martelinho são os principais candidatos a ocupar, respectivamente, os flancos esquerdo e direito. Para a entrada do número 16 "axadrezado" no "onze", sairá um dos três centrais que alinharam nos Barreiros (provavelmente Éder, até porque Cadú e Hélder Rosário fizeram dupla no eixo da defesa na última meia-hora da última partida). No meio-campo, André Barreto, agora disponível, deverá ser o responsável pela transposição defesa-ataque. Ao seu lado, há três hipóteses para ocupar esse lugar: Lucas (fazendo com que a equipa ganhe capacidade ofensiva e técnica no centro do terreno, mas concedendo mais espaços a Ricardo Nascimento, o "maestro" do Rio Ave), Frechaut ou João Pedro (responsáveis pela marcação a Ricardo Nascimento). Na defesa, Cadú e Hélder Rosário deverão fazer dupla no centro, Carlos Fernandes mantém o posto de lateral-esquerdo e, no flanco oposto, alinhará Frechaut ou, no caso de o internacional português passar para o meio-campo, Nélson (Martelinho também é hipótese; nesta situação, podem jogar Flores ou Toñito na frente). Na baliza, face à lesão de William, Carlos é a opção mais provável, uma vez que protagonizou uns cerca de 30 minutos de grande qualidade na Madeira. Para conseguir o tão almejado triunfo, o Boavista não pode falhar nas marcações no seu sector mais recuado: o lateral-direito (Frechaut, Nélson ou Martelinho) terá de ter muita atenção com as diagonais que Gama (ou Evandro) realiza, Hélder Rosário não pode conceder espaços ao goleador Gaúcho, Carlos Fernandes tem de manter a mesma segurança evidenciada nos jogos anteriores, de modo a travar o rápido Saulo e Cadú deve estar atento, a fim de ajudar a evitar que outros jogadores vila-condenses penetrem na grande área. Mais à frente, o meio-campo deverá ser extremamente pressionante, cortando as linhas de passe a futebolistas como R. Nascimento, e terá de colocar a bola em boas condições no ataque. Neste sector, o Boavista tem de usar toda a técnica e criatividade dos seus jogadores (João Pinto é um nome incontornável), praticando um futebol a toda largura do campo, fazendo a circulação do esférico com qualidades, de molde a criar oportunidades de golo. Além disso, o extremo-direito (Martelinho, Toñito ou Guga) terá de procurar travar o ofensivo lateral-esquerdo do Rio Ave, o internacional sub-21 Miguelito. De recordar que o BFC, em caso de vitória, iguala provisoriamente o Benfica na liderança (o Boavista é actualmente o 5.º classificado, com 7 pontos, em igualidade pontual com 3.º e 4.º, respectivamente, Vit. Setúbal e Belenenses). FORÇA BOAVISTA!!!



publicado por pjmcs às 15:32
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Próximos Jogos

Sp. CovilhãxBoavista

(25/01; 16:00) - 15.ª Jornada

artigos recentes

Boavista FC 2 - 0 Estoril

Santa Clara 3 - Boavista ...

Boavista FC 2 - 0 U. Leir...

SC Freamunde 2 - 0 Boavis...

Boavista FC 1 – 2 SC Beir...

BOAVISTA FC 0 - 2 GUIMARÃ...

Feirense 2 - 0 Boavista F...

Boavista FC 1 - 0 Oliveir...

BOAVISTA FC 1 - 0 LOUSADA

Boavista FC 1 - 1 D. Aves

Imagens Recebidas
Galeria de Imagens
arquivos

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

ligações
pesquisar