Sexta-feira, 24 de Dezembro de 2004
FELIZ NATAL!!!
O Notícias do Bessa faz sinceros votos de um feliz Natal para todos os visitantes deste blog, todos os desportistas e, em especial, toda a família boavisteira.


publicado por pjmcs às 12:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Próximo Jogo
Boavista FC X Vitória SC (Guimarães) - Sábado, 8 de Janeiro de 2004, às 17h15min.
Estádio do Bessa Século XXI.

No confronto que abre o ano de 2005, o Boavista, quarto classificado da Superliga, recebe o Vitória de Guimarães, num duelo que é sempre aguardado com grande expectativa. Este jogo poderá ou não marcar a estreia de algum(ns) reforço(s) que o BFC venha, eventualmente, a contratar na reabertura do mercado de transferências.


publicado por pjmcs às 12:15
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 23 de Dezembro de 2004
Vianense 1 - Boavista 3: "Axadrezados" jogaram o "indispensável"

Boavista – William; Nélson, Jorge Silva, Éder e Milhazes; Tiago e André Barreto (João Pedro, aos 53min); Zé Manel (Guga, aos 59min), João Pinto e Diogo Valente (Toñito, aos 69min); Felipe Flores



Treinador: Jaime Pacheco


 


O Boavista cumpriu a sua obrigação, eliminando o Vianense da Taça com uma vitória por 1-3. Não deslumbraram os "axadrezados", mas a verdade é que o BFC não precisou de se esforçar muito para levar de vencida a aguerrida formação de Viana do Castelo, que, todavia, até entrou melhor no encontro, com um remate que obrigou William a uma defesa apertada. Pouco depois, numa jogada de ataque bem construída, João Pinto remata para a defesa para canto do guardião vianense. O Boavista atacava preferencialmente pelo flanco direito, onde se encontrava Nélson (o mlehor em campo), tendência que se acentuou mais a partir do momento em que Zé Manel trocou de ala com Diogo Valente, com este último a passar para o flanco canhoto. João Pinto procurava organizar jogo (o seu regresso à equipa traz inegavelmente classe à mesma), bem apoiado por André Barreto (mostrou alguns pormenores interessantes). O Boavista, à medida que otempo corria na primeira parte, acentuava o seu domínio na partida, chegando com naturalidade ao golo, aos 20min: bom trabalho de Zé Manel perto do vértice do lado direito da grande área, puxa a bola para o pé esquerdo e cruza para Flores, que não chega a trocar na bola (foi, pelo menos, essa a sensação que ficou na bancada), acabando por inaugurar o marcador. Quase de seguida, canto na direita apontado por Diogo Valente e Jorge Silva executa um cabeceamento que passou perto do poste esquerdo. Era a ameaça para o segundo golo, que haveria de surgir aos 26min: novo canto na direita de Diogo Valente, Flores cabeceia para uma defesa incompleta do guarda-redes da formação da casa e João Pinto, livre de marcação, aumenta, sem dificuldades, a contagem. Quatro minutos depois, na melhor jogada da partida, João Pinto abre para Flores, que desmarca Diogo Valente na esquerda, terminando a jogada com uma excelente execução por parte do esquerdino, com um "chapéu". A vencer por três tentos de diferença, o Boavista "desacelerou" e o intervalo acabou por chegar sem mais situações de realce. Na segunda parte, verificou-se um "relaxamento" quase colectivo da equipa "axadrezada". As entradas de João Pedro e Guga, para os lugares de, respectivamente, André Barreto e Zé Manel (protagonistas de duas actuações positivas) piorou a qualidade do jogo. A entrega dos jogadores boavisteiros era claramente menor, visto que a eliminatória já estava resolvida. Na frente Felipe Flores recebia, amiúde, a bola virado de costas para a baliza, não sendo suficientemente rápido para efectuar a rotação, daí que a maioria dos lances de ataque do Boavista acabassem por não trazer perigo para a baliza vianense. Contudo, fica o destaque para a perdida de Diogo Valente, desmarcado por João Pinto, em posição priveligiada, não consegue passar pelo guarda-redes adversária. Talvez por causa desta ocasião desperdiçada, o extremo-esquerdo é, minutos a seguir, substituído por Toñito. O médio espanhol, porém, a jogar descaído na esquerda, não trouxe nada de novo ao jogo, que, nessa altura, se apresentava extremamente monótono. Foi o Vianense quem animou o encontro, ao apontar o golo que deu azo a grandes festejos, que acabam por ser justificados, tendo em conta que se trata de uma equipa que milita na 3.ª Divisão. Canto apontado na direita do ataque do Vianense e William, que não se saiu, viu o avançado local a apontar o tento da equipa da casa. O Vianense, galvanizado pelo entuasiasmo dos seus adeptos, tentou, nos minutos que imediatamente se seguiram, chegar ao segundo golo, não revelando, no entanto, a solidez necessária para o conseguir. O encontro terminava e o Boavista já está nos oitavos-de-final da Taça de Portugal. Nélson, finalmente a realizar um jogo completo como lateral-direito, foi o jogador que mais se destacou, revelando eficácia a defender e constituído um importante auxílio no flanco direito do ataque.



publicado por pjmcs às 19:49
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 20 de Dezembro de 2004
Os repetidos equívocos de Pacheco
Na época passada, em meados de Março, o Dr. João Loureiro tomou a sensata decisão de prescindir dos serviços do então treinador Sanchez, contratando o homem que tinha guiado o BFC ao título nacional. Com Pacheco, os sócios do Boavista chegaram a ter uma maior esperança no apuramento para a Taça UEFA. No entanto, os maus resultados continuavam, com excepção para a vitória na recepção ao Sporting, mas os boavisteiros compreendiam que a fase final da época seria utilizada pelo técnico paredense para começar a preparar a temporada seguinte. Em Julho, na apresentação do novo plantel, ainda sem João Pinto e Felipe Flores, Pacheco dava conta de toda a sua satisfação pelo lote de jogadores que tinha à sua disposição. E tinha razão. Agora, perto do final da primeira volta, o Boavista ocupa um excelente terceiro lugar (que dá acesso à 3.ª pré-eliminatória da Liga dos Campeões). Contudo, quem assiste a encontros como o último em Braga, não obstante a boa reacção da equipa aos dois golos madrugadores, chegando a ter momentos em que praticou bom futebol, fica preocupado com o futuro deste Boavista. No final, Pacheco queixou-se do facto de lhe faltarem soluções para o ataque. Não deixa de ter razão, sabendo desta lacuna, por que razão continua a apostar num estilo de jogo directo? Além disso, se uma equipa sofre 3 golos, a culpa não se cinge ao sector ofensivo... Eis algumas das falhas que podem ser apontadas a Jaime Pacheco:

- Lances de bola parada

Com efeito, o Boavista tem sofrido golos sobretudo na sequência de cantos e livres dos quais resultam cruzamentos (Vit. Setúbal, Marítimo, Rio Ave, Sporting (2) e Sp. Braga).

- A insistência em Cafú

As sucessivas oportunidades concedidas a Cafú, tendo em conta o fraco rendimento que o número 17 tem apresentado. Todavia, a sua colocação a ponta-de-lança é um erro já cometido na época passada. Muito fraco no jogo aéreo, o cabo-verdiano, cuja principal virtude é o seu poder de aceleração, não é aposta indicada para ocupar o lugar de ponta-de-lança num sistema de 4-3-3 (com dois extremos a cruzar para a grande área). Esta temporada não constitui novidade neste capítulo, uma vez que foi precisamente Jaime Pacheco quem concedeu oportunidades atrás de oportunidades a futebolistas como Ico, Gilmar, Augustine, Emanuel, entre outros.

- Jogadores fora de posição

Custa a compreender o facto de Nélson, excelente lateral-direito, ser utilizado, na maior parte das ocasiões, como extremo-esquerdo, principalmente quando se verifica que o posto de defesa-direito é ocupado por um central (Hélder Rosário) ou por um médio (Frechaut). Guga, jogador possuidor de poder de finta, quando joga, é utilizado no centro do ataque, quando ele rende mais a extremo-direito. João Pinto, virtuoso criativo, estando habituado a aparecer nas "costas" do ponta-de-lança, também é colocado frequentemente como unidade mais adiantada da equipa.

- Poucas oportunidades a Toñito

Após o encontro com a Académica, em que o espanhol foi um dos poucos jogadores a tentar animar a partida, o número 10 do Boavista passou, inexplicavelmente, toda a primeira parte no banco em Braga. Dotado de uma grande capacidade técnica, é por demais evidente que Toñito merece uma maior utilização.

- Sistema táctico e modelo de jogo

O jogo na cidade dos Arcebispos começou com um Boavista a alinhar com três médios de características defensivas, prescindindo de um organizador de jogo. O estilo de jogo da equipa, demasiado directo, não se adequa a um plantel constituído por jogadores, na sua maioria, de baixa estatura e com grande capacidade técnica. João Pinto, Zé Manel, Toñito, André Barreto, entre outros, são claramente prejudicados com o modelo de jogo predilecto de Pacheco.

- Substituições

Pacheco demorou toda a primeira parte para fazer alterações a uma equipa que estava a perder por dois golos de diferença. É um erro frequente: o treinador do BFC desperdiça, autenticamente, primeiras partes inteiras. Por exemplo, no duelo com a Académica, quando o 0-0 subsistia no marcador, Jaime Pacheco decidiu fazer entrar Flores a somente 10 minutos do final.

Estão aqui mencionados apenas alguns dos erros que o nosso treinador comete amiúde. Jaime Pacheco deveria ter a coragem de assumir todas as suas responsabilidades quando as coisas não correm bem, como aconteceu em Braga. Esperamos que o próximo jogo, em Viana do Castelo, para a Taça, traga novidades, pela positiva, e que o período de interrupção do campeonato por causa do Natal e do Ano Novo seja de reflexão para a equipa técnica do Boavista.


publicado por pjmcs às 16:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 19 de Dezembro de 2004
Próximo Jogo
SC Vianense X Boavista FC - Quinta-feira, 23 de Dezembro de 2004, às 14h30min.
Estádio Dr. José de Matos, em Viana do Castelo.

O Boavista, após a pesada derrota de ontem, vai procurar limpar a sua imagem na deslocação ao terreno do Vianense, equipa que milita na 3.ª Divisão, em jogo a contar para a 5.ª eliminatória (16 avos-de-final) da Taça de Portugal. O BFC é claramente favorito, podendo apresentar Fary e João Pinto na equipa inicial.


publicado por pjmcs às 13:09
link do post | comentar | favorito
|

Sp. Braga 3 - Boavista 0: OFERTAS NATALÍCIAS DITAM DERROTA POR NÚMEROS DEMASIADO ELEVADOS

Sp. Braga – Paulo Santos; Abel, Nunes, Nem e Jorge Luiz; Luís Loureiro, João Alves e Wender (Castanheira, aos 72min); Jaime Jr.(Paulo Sérgio, aos 67min), João Tomás (Baha, aos 79min) e Cesinha


Treinador: Jesualdo Ferreira



Boavista – Carlos; Hélder Rosário (Diogo Valente, aos 62min), Cadú, Éder e Carlos Fernandes; Tiago, Lucas e André Barreto (Toñito, ao intervalo); Zé Manel, Cafú (Milhazes, aos 83min) e Nélson



Treinador: Jaime Pacheco


 


Pode dizer-se que foi o Boavista que perdeu e não o Braga que ganhou. Aos 3min, livre para o Sp. Braga na direita, ressalto na grande área e Luís Loureiro, sem marcação, inaugurou o marcador. Aos 11min, um verdadeiro brinde natalício: Tiago recupera a bola, após um passe em profundidade dos bracarense, Carlos aproxima-se do 66 boavisteiro, mas este último faz um passe completamente disparatado para a baliza e o guarda-redes do BFC não conseguiu chegar à bola. Sem fazer praticamente nada, o Braga via-se a vencer por 2-0. A estratégia (?) de Pacheco, que decidiu colocar o jogador, até então, em melhor forma da equipa (Toñito) no banco, apostando em 3 médios-defensivos, num extremo-esquerdo que é lateral-direito (Nélson), num lateral-direito que é defesa-central (Hélder Rosário) e num ponta-de-lança que não o é (Cafú), falhava. Todavia, o Boavista até reagiu bem aos dois golos. Procurou pressionar a equipa da casa, flanqueou o jogo, mas os cruzamentos terminavam quase sempre nos defensores minhotos, notando-se a ausência de um "homem de área". Zé Manel era o jogador que mais se evidenciava pela sua garra em tentar inverter a complicada situação. Destaque para um bom remate de primeira de Cafú, que passou perto do poste, para um remate em jeito de Zé Manel, que culminou numa boa intervenção de Paulo Santos, e para um lance duvidoso na área (na bancada, deu a sensação de que Cadú sofrera falta, acabando, no entanto, por lhe ser exibido o cartão amarelo). O Braga limitava-se a gerir a vantagem milagrosamente conseguida (os "apanha bolas" desapareceram...). No meio-campo, Lucas lutava e procurava lançar a bola no ataque, André Barreto tentava organizar jogo e Tiago mostrava-se excessivamente apático. Pacheco nada fazia no sentido de fazer face à devantagem de dois golos. Toñito continuava sentado no banco... No sector defenisvo, se Carlos Fernandes cumpria no lado esquerdo, Hélder Rosário sentia imensas dificuldades para travar o irrequieto Cesinha. O intervalo chegava e Jaime Pacheco realiza, finalmente, a primeira alteração: saía André Barreto (que nem esteve mal) e entrava Toñito. Hélder Rosário, em claras dificuldades, e Tiago continuavam em campo. O Boavista mantinha a mesma toada do primeiro tempo, mas, na finalização, as lacunas eram por demais evidentes. Aos 62min, Hélder Rosário era rendido por Diogo Valente (futebolista em que Pacheco tem insistido e insistido). Se a alteração, em termos defensivos, trouxe mais tranquilidade ao flanco direito, no ataque, esta não acrescentava absolutamente nada à ala esquerda. No Braga, Jesualdo Ferreira trocou Jaime Jr. (muito apagado) por Paulo Sérgio, acabando por acertar em cheio no alteração, uma vez que o ex-Montpellier trouxe mais acutilância ao lado direito do ataque "arsenalista". O Boavista continuava a insistir, Toñito, aos poucos, ia entrando no encontro, Zé Manel fazia o podia, o BFC ganhava cantos atrás de cantos, mas o perigo não surgia. Nos dez minutos finais, verificou-se uma quebra na equipa do Boavista e o Braga, aproveitando a velocidade dos seus extremos, conseguia explorar essa deficiência. Aos 82min, Paulo Sérgio combina bem com João Alves, cruza para grande área, onde encontra a cabeça de Baha, que marca, assim, o terceiro tento. O resultado não reflectia o que se tinha passado durante a partida, porém, penalizava a insegurança defensiva do BFC. O encontro terminava pouco depois, com uma vitória que o Braga, sem ter de produzir muito, obtinha graças, sobretudo, ao demérito "axadrezado". Jaime Pacheco falhou em toda a linha e a maior parte da responsabilidade por esta pesada derrota é sua. Destaque para a razoável afluência de boavisteiros ao Municipal de Braga.


 



publicado por pjmcs às 12:59
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 18 de Dezembro de 2004
Antevisão do Sp. Braga X Boavista

Equipas prováveis:



Sp. Braga – Paulo Santos; Abel, Nunes, Nem e Jorge Luiz; Luís Loureiro, João Alves e Castanheira; Wender, João Tomás e Cesinha


Treinador: Jesualdo Ferreira


Boavista – Carlos; Hélder Rosário, Cadú, Éder e Carlos Fernandes; Tiago, Lucas, André Barreto e Toñito; Cafú e Zé Manel


Treinador: Jaime Pacheco


 


O Boavista tem hoje um difícil e importante teste frente a um Sp. Braga moralizado pelo empate obtido em Alvalade. Na tentativa de recuperar a liderança da Superliga, Pacheco deverá reforçar o meio-campo, juntando André Barreto a Lucas e Tiago. Toñito será o organizador de jogo, apoiando os rápidos Cafú e Zé Manel. Na defesa, Hélder Rosário vai voltar ao posto de lateral-direito. Quanto ao Sp. Braga, Jesualdo Ferreira, para fazer face à ausência, por castigo, de Vandinho, deverá apostar em Castanheira, que jogará ao lado de João Alves. Na frente, João Tomás será a referência no ataque e o regressado Wender deverá render Jaime, que esteve em sub-rendimento no último encontro. Prevê uma partida muito bem disputada, colocando frente-a-frente duas das melhores equipas do campeonato. Para vencer, o Boavista terá de ser uma equipa lutadora, não concedendo espaços no seu meio-campo e, no ataque, circular a bola, procurando criar lacunas na defesa bracarense. André Barreto e Lucas terão de procurar fornecer superioridade aos "axadrezados" no centro do terreno, lançando os ataques do BFC, tentando, também, ajudar os laterais esquerdo e direito, respectivamente. Quanto isto acontecer, Toñito terá de recuar no terreno. FORÇA BOAVISTA!!!



publicado por pjmcs às 12:28
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 11 de Dezembro de 2004
Próximo Jogo
SC Braga X Boavista FC - Sábado, 18 de Dezembro de 2004, às 19h15min.
Estádio Municipal de Braga.

O Boavista vai a Braga moralizado pelo facto de se encontrar nos lugares cimeiros da Superliga. A deslocação ao Municipal bracarense vai constituir um duelo entre duas equipas com ambições europeias, no último jogo do BFC em 2004.


publicado por pjmcs às 20:59
link do post | comentar | favorito
|

Boavista 1 - Académica 0: DIFICULADES DESNECESSÁRIAS NUMA VITÓRIA JUSTA

Boavista – Carlos; Frechaut (Nélson, aos 53min), Cadú, Éder e Carlos Fernandes; Tiago e Lucas; Zé Manel, Toñito e Diogo Valente (Felipe Flores, aos 79min); Cafú  


Treinador: Jaime Pacheco


Académica – Pedro Roma; Nuno Luís, Danilo, José António e Fredy; Nuno Piloto, Tixier, Paulo Adriano (Joeano, aos 68min) e Ricardo Fernandes; Luciano (Kenny Copper, aos 85min) e Dário (Rafael Gaúcho, aos 70min)


Treinador: João Carlos Pereira


O Boavista sofreu mas acabou por derrotar a Académica por 1-0, com um golo de Éder aos 93 minutos. Foi uma vitória justa a do BFC, porém, a verdade é que só no período de compensação da segunda parte os "axadrezados" conseguiram entusiasmar o público que compareceu no Estádio do Bessa Século XXI. Até então, o Boavista havia sido uma equipa demasiado apática durante a maior parte do jogo, com Toñito (deliciou a plateia com alguns bons pormenores, que, infelizmente, não foram tão frequentes como os boavisteiros gostariam), Cafú (mais uma noite de muito sacrifício), Nélson (entrou na segunda parte e forneceu maior capacidade ofensiva ao flanco direito) e, por vezes, Zé Manel a serem praticamente os únicos jogadores que tentavam fazer algo para animar o jogo. Na primeira parte, o Boavista, a partir dos 20min, parecia começar a dominar o encontro, preparando-se para uma vitória tranquila. Cafú, 5 minutos depois, desperdiçou incrivelmente a possibilidade de inaugurar o marcador com um cabeceamento torto, em posição frontal, após Toñito ter desmarcado Diogo Valente na esquerda, que executou um bom cruzamento a solicitar o avançado cabo-verdiano. Mas foi "sol de pouca dura". Ao invés de trocar a bola, o Boavista procurava apostar quase exclusivamente em cruzamentos, ainda por cima longe da linha lateral, para a grande área, com os centrais academistas a superiorizarem-se quase sempre. No meio-campo, somente Toñito, quando recuava para vir buscar jogo, conseguia fazer a transição em boas condições para o ataque. Se Tiago cumpria a sua função de lutar pela posse de bola, já Lucas, não obstante a abnegação que revelou, não estava em noite inspirada. Aos 38min, a Académica, em contra-ataque, após um canto do BFC, chegou a assusta, uma vez que Ricardo Fernandes, em posição extremamente favorável, rematou para uma defesa difícil de Carlos, que desviou a bola para o poste. O intervalo chegava após a monotonia que se verificou nos últimos dez minutos da primeira parte. Na segunda parte, Diogo Valente e Zé Manel trocaram de flanco, todavia, essa alteração não trouxe nada de novo. Aos 53min, Pacheco trocou Frechaut e Nélson. Esta substituição conferiou maior fulgor e poder atacante ao flanco direito, uma vez que o número 2 do BFC subiu, em várias ocasiões, pela sua ala, subidas essas que não foram devidamente aproveitadas pelo ataque do BFC. Quanto à Académica, limitava-se a trocar a bola, não arriscando absolutamente nada, com o seu treinador a realizar duas substituições quase seguidas, mas separadas, denotando uma gritante falta de ambição. O Boavista não conseguia despertar e a partida continuava a arrastar-se. Aos 79min, Jaime Pacheco colocou Flores no lugar de Diogo Valente, que realizou uma exibição muito pobre. Cafú passava para o flanco direito. Nesta segunda parte, Toñito já não conseguia, com tanta frequência, pegar no jogo, muito por culpa do seu adiatamento no terreno. Foi a partir dos 87, 88 minutos que a equipa do Boavista, "espicaçada" pelos adeptos, começou a pressionar e a "sufocar" a Académica. Toñito voltava a recuar, Tiago tentava ajudar a organizar jogo, Nélson funcionava como extremo direito, Cafú e Cadú (vindo do sector defensivo) juntavam-se a Flores no "coração" da grande área coimbrã. Aos 92min, Cafú, a cruzamento de Zé Manel, cabeceava, outra vez, de forma deficiente em boa posição. No entanto, os "axadrezados" não esmoreceram e continuaram a acreditar, perante uma Académica remetida às imediações da sua área. Novo cruzamento para a grande área e, Cafú voltava a falhar, de cabeça, o tento. Contudo, Nélson recuperou a bola antes de esta sair pela linha final, endossou-a a Toñito, que cruzou para a grande área. Éder, aproveitando a saída de Pedro Roma, superiorizou-se a este último no jogo aéreo, efectuando o cabeceamento vitoroso para o fundo das redes adversárias. Era a explosão de alegria no Estádio do Bessa Século XXI. O encontro terminava praticamente de seguida com um triunfo que acabou por ser merecido para o Boavista. Foi um castigo justo para a Académica, perdendo o "pontinho" que constuía a sua única ambição. O BFC soma agora 27 pontos, assumindo a liderança isolada da Superliga, pelo menos até os seus adversários mais directos entrarem em campo para esta 14.ª jornada.



publicado por pjmcs às 20:56
link do post | comentar | favorito
|

Próximos Jogos

Sp. CovilhãxBoavista

(25/01; 16:00) - 15.ª Jornada

artigos recentes

Boavista FC 2 - 0 Estoril

Santa Clara 3 - Boavista ...

Boavista FC 2 - 0 U. Leir...

SC Freamunde 2 - 0 Boavis...

Boavista FC 1 – 2 SC Beir...

BOAVISTA FC 0 - 2 GUIMARÃ...

Feirense 2 - 0 Boavista F...

Boavista FC 1 - 0 Oliveir...

BOAVISTA FC 1 - 0 LOUSADA

Boavista FC 1 - 1 D. Aves

Imagens Recebidas
Galeria de Imagens
arquivos

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

ligações

pesquisar