Domingo, 7 de Dezembro de 2008
Santa Clara 3 - Boavista 1

O Boavista perdeu, novamente a jogar de manhã, nos Açores frente ao Santa Clara. Um jogo com duas partes bem distintas, em que, pode dizer-se, os axadrezados, mais por culpa própria do que por mérito da formação da casa, deram, verdadeiramente, dois golos e 45 minutos de avanço ao adversário.

Para o duelo diante do 2.º classificado da Liga Vitalis, Rui Bento apostou num sistema de 4-4-2 (semelhante ao que havia iniciado o encontro frente ao Leiria), com João Tomás como referência ofensiva e Sidnei na esquerda, um meio-campo com François como vértice mais recuado (subiu de central para trinco, dado o regresso de Renato Santos ao “onze”, após lesão), Pedro Moreira mais na direita, Bruno Monteiro mais adiantado do que tem sido costume e Rui Lima ligeiramente descaído para o flanco canhoto.

A primeira parte teve, até ao primeiro golo, uma toada morna, essencialmente disputada a meio-campo, com o Boavista a procurar, sobretudo, a ala esquerda, na tentativa de explorar a velocidade de Sidnei. No entanto, os cruzamentos não saíam com a precisão necessária e, assim, o BFC não conseguia criar grande lances de perigo. O Santa Clara, por sua vez, apostava, apesar do reforçado (na teoria) sector intermediário axadrezado, essencialmente nas transições rápidas pelo corredor central.

Foi então que, sensivelmente a meio do primeiro tempo, quando nenhuma das equipas justificava mais que o nulo, o Santa Clara fez o primeiro tento, num lance em que o Boavista errou em termos defensivos. Após uma alívio muito deficiente de Renato Santos, o esférico sobra para um atacante do Santa Clara, que, com todo o espaço, cruza da esquerda para Rincon, livre de marcação, inaugurar o marcador.

O Boavista tentou reagir e esteve perto do empate em duas ocasiões, com dois cabeceamentos perigosos de João Tomás. No entanto, a fase final da primeira parte foi terrível para os axadrezados, dado que, aproveitando o excessivo espaço concedido, na zona central, quer pelo meio-campo, quer pelos centrais, o Santa Clara, com passes para as costas da defesa, ameaçou primeiro por Vouho, à passagem dos 40 minutos, que surgiu isolado perante Sérgio Leite (só uma boa intervenção do guardião boavisteiro evitou o golo), e acabou por concretizar mesmo no “cair do pano”, com, outra vez, um jogador da casa a surgir isolado, desta vez batendo Sérgio Leite. O intervalo chegava com um 2-0 que castigava a ingenuidade defensiva do Boavista, uma vez que, no futebol jogado, o Santa Clara não foi, contrariamente àquilo que o resultado poderia indiciar, uma equipa dominadora.

À entrada para o segundo tempo, Rui Bento, apercebendo-se de alguma confusão da equipa em termos tácticos (apesar de jogar, no papel, com quatro médios, o sector intermediário não conseguia fechar os espaços e as linhas de passe nem acertar nas marcações), lançou Adriano para o lugar de François, abrindo, assim, a frente de ataque. O Boavista regressava, desta forma, ao 4-3-3, com Bruno Monteiro a recuar para a posição mais recuada do meio-campo e Pedro Moreira a jogar em zonas mais interiores.

E a verdade é que o Boavista entrou melhor na segunda parte, com Rui Lima, logo aos 48 minutos, com um remate de primeira à entrada da área, a chutar ligeiramente por cima da barra. Estava dado o mote para uma etapa complementar na qual o BFC surgiu mais dinâmico e esclarecido. Ao fim do primeiro quarto-de-hora, nova substituição, entrando Márcio Tarrafa a render Gilberto. Rui Bento procurava, com esta alteração, dar maior criatividade e capacidade de segurar a bola ao meio-campo e, simultaneamente, um apoio mais efectivo, pela esquerda, ao extremo Sidnei. E esses intentos foram conseguidos. Aos 68 minutos, após um cruzamento da esquerda interceptado pela defesa açoreana, Márcio Tarrafa, sem deixar cair a bola, aproveita a segunda bola e faz um golo espectacular (mais um… depois do segundo golo de João Tomás frente ao Leiria), sem quaisquer hipóteses para Alemão, guarda-redes do Santa Clara. Um tento justo para o maior domínio boavisteiro no segundo tempo. Motivado pelo facto de bastar, agora, um único golo para repor a igualdade, o Boavista subiu as suas linhas ofensiva e média, surgindo, minuto após minuto, cada vez mais pressionante, impedindo, assim, o Santa Clara de conseguir sair a jogar. Os axadrezados estavam melhores e adivinhava-se o golo do empate. Aos 81 minutos, João Tomás teve, no seu pé direito, uma soberana ocasião para fazer o 2-2, ao surgir isolado perante Alemão, não conseguindo, todavia, melhor que rematar por cima. Um lance decisivo, que poderia ter mudado, por completo, o rumo do encontro. Só que, na jogada seguinte, novo erro defensivo da equipa do Boavista e o Santa Clara, sem ter feito nada que o justificasse, fazia o 3-1 e resolvia, desta forma, a partida. Mais um golo muito consentido pela equipa boavisteira e, obviamente, a cometer erros assim não qualquer hipótese de conseguir um bom resultado (fazendo lembrar, por exemplo, o que aconteceu nas derrotas na Póvoa de Varzim e em Santa Maria da Feira). Daí até final, o Boavista, mais com o “coração” que com a “cabeça”, tentou colocar rapidamente, com lançamentos longos, a bola na área, mas faltava o discernimento necessário para esboçar uma reacção efectiva.

Mais uma derrota do Boavista fora de casa, a 3.ª consecutiva, num jogo que dá muito que pensar. Perante uma das formações mais fortes da Liga Vitalis, o Boavista conseguiu ser superior durante grande parte da segunda parte, mostrando que tinha qualidade para trazer um bom resultado dos Açores. No entanto, quando se “oferece” três golos ao opositor, é muito, mais muito difícil fazer melhor… O próximo compromisso oficial do Boavista é apenas no domingo dia 21, com a recepção ao Gondomar, num jogo em que, mais uma vez, pedimos aos boavisteiros compareçam em bom número e apoiem, como tem sido hábito, a equipa, de modo a ajudar os axadrezados a conseguir os importantíssimos três pontos. Antes disso, porém, no dia 17 (4.ª feira), pelas 15 horas, o Boavista, também em casa, defronta o Paços de Ferreira, em partida a contar para a 1.ª jornada do campeonato de Primavera da Liga Intercalar.

____________

 

GD Santa Clara 3 x Boavista 1

(Rincon, aos 25 e 44 min, Ruben Rodrigues, aos 82 min; Márcio Tarrafa, aos 68 min)

 

79 Sérgio Leite

13 Zâmbia

3 Renato Santos

4 Bruno Pinheiro

7 Gilberto

15 François

8 Pedro Moreira

27 Bruno Monteiro

23 Rui Lima

9 João Tomás

19 Sidnei

 

 

 

 

Substituições

François por Adriano, ao intervalo

Gilberto por Márcio Tarrafa, aos 60 min 



publicado por pjmcs às 18:42
link do post | comentar | favorito
|

Próximos Jogos

Sp. CovilhãxBoavista

(25/01; 16:00) - 15.ª Jornada

artigos recentes

Boavista FC 2 - 0 Estoril

Santa Clara 3 - Boavista ...

Boavista FC 2 - 0 U. Leir...

SC Freamunde 2 - 0 Boavis...

Boavista FC 1 – 2 SC Beir...

BOAVISTA FC 0 - 2 GUIMARÃ...

Feirense 2 - 0 Boavista F...

Boavista FC 1 - 0 Oliveir...

BOAVISTA FC 1 - 0 LOUSADA

Boavista FC 1 - 1 D. Aves

Imagens Recebidas
Galeria de Imagens
arquivos

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

ligações

pesquisar